Crédito: Marcos Corrêa/PR

O aparato tecnológico que protege Temer

Às vésperas da votação para sua cassação, presidente usa criptografia, telefone seguro e misturador de voz para se comunicar.

|
01 agosto 2017, 4:40pm

Crédito: Marcos Corrêa/PR

Nas últimas semanas, o presidente Michel Temer adotou, como informou em primeira mão o jornalista Gerson Camarotti em seu blog, uma tecnologia um tanto quanto inusitada para seu gabinete: um misturador de voz. A instalação da traquitana – que, como o nome sugere, embaralha sons e impede a ação de microfones no recinto – era uma clara reação à gravação de Joesley Batista, que, em maio, revelou conversas que comprometiam a integridade do presidente.

Apesar do timing estranho escolhido por Temer para a instalação do aparelho – a poucos dias da votação da denúncia apresentada pela PGR –, o assunto tem um peso maior do que pode parecer a uma primeira olhada. Trata-se, afinal, da segurança das informações do maior posto da República.

O tema é ainda mais delicado ao levar em conta que, de uns anos para cá, a gravação de Joesley não fora a primeira a quebrar o sigilo das comunicações presidenciais no Brasil. Nem a segunda, a bem dizer. Durante os quase seis anos do governo de Dilma Rousseff, tivemos pelo menos dois casos confirmados de comunicações interceptadas. O primeiro foi a espionagem generalizada da NSA, como revelou em 2013 por Edward Snowden; o segundo, mais delicado, foi a interceptação das conversas de Lula interceptadas pela Polícia Federal. (Neste último deslize, a segurança da presidenta acabou levando um puxão de orelha público via Twitter do próprio Snowden, que sugeria a adoção da criptografia.)

Diante do cenário pouco favorável dentro e fora do país, Temer talvez tenha se tornado o presidente mais munido de aparatos tecnológicos para assegurar suas comunicações. No topo de sua lista de ferramentas está, sem dúvida, o Telefone Seguro (TSG). A tecnologia está disponível desde o ano de 2009, mas não recebeu a atenção que merecia das equipes do executivo anteriores. Dilma Rousseff chegou a dispensar o aparelho para se comunicar com seus ministros, enquanto o Temer passou a utilizá-lo apenas após a ter uma conversa com o deputado Rocha Loures interceptada pela Polícia Federal na metade deste ano.

Temer ainda tem a seu dispor dispositivos para a criptografia e armazenamento de arquivos, o CriptoGov e cGov. O primeiro é um aplicativo que cria áreas seguras nos dispositivos de armazenamento (HDs e pendrives); já o segundo é empregado em ambientes que utilizam chaves privadas e públicas – por exemplo na troca de e-mails e arquivos. Além deles, Temer adota um app mensageiro próprio para smartphones nos moldes do Whatsapp, o Athena. No site da Agência Brasileira de Segurança (Abin), responsável pelo desenvolvimento, o órgão diz que a aplicação "conta com a criptografia de Estado, fornecendo um nível adequado de confidencialidade e integridade na troca de mensagens". O recurso chegou a ser chamado de "whatsbin", devido à semelhança com o mensageiro e é usado pela agência desde a Copa das Confederações, em 2013. (Não há detalhes se o mesmo permite a criação de grupões, mas, ainda assim, imaginamos que devam existir o Grupo dos Aliados do Temer, entre outros.)

Já o famigerado misturador de voz, que também seria instalado em gabinetes ministeriais e na residência oficial do presidente, é o que parece ser o mais engenhoso. Também encontrado comercialmente com os nomes "Speech protector" e "Voice Recorder Jammer", o gadget tem por objetivo impedir que dispositivos de captação de áudio funcionem no ambiente. "Os mais modernos geram sons inaudíveis ao homem e que 'desabilitam' os microfones de gravadores, câmeras, smartphones e outros aparelhos. As pessoas se escutam durante as conversas, mas a gravação fica falhada", explica Igor Marcel, especialista em segurança da informação da Blaze Information Security.

No vídeo demonstração, é possível ver que o efeito sonoro é um chiado que toma conta do som da gravação. O fenômeno é semelhante ao que acontece com fones de ouvido com cancelamento de ruído. No caso dos fones, a onda sonora produzida pelo som externo é anulada por outra produzida pelo fone de ouvido.

Segundo Marcel, há dois tipos de misturadores disponíveis no mercado: os que emitem som audível e os que trabalham em frequência imperceptível aos ouvidos humanos. "Os mais modernos geram sons inaudíveis ao homem e que 'desabilitam' os microfones de gravadores, câmeras, smartphones e outros aparelhos. As pessoas escutam se escutam durante as conversas, mas a gravação fica falhada", explica

No caso do misturador de voz de Temer, o ruído gerado atrapalha o que é gravado. "Ele utiliza ultrassons [ondas sonoras com frequência superiores à frequência de 20.000 Hz] que não atrapalham na conversa das pessoas ao mesmo tempo gerar aquele ruído que é detectado apenas pelos gravadores. Dessa forma, ele 'soma' a voz dos presentes com o ruído gerado, deixando som captado pelo gravador ininteligível", comentou o professor de Instituto Física da USP São Carlos, Herbert Alexandre João.

Para João, seria quase impossível burlar a proteção que o aparelho promove. "Só daria se você utilizasse um microfone unidirecional em que você consegue captar a longa distância o som para a direção em que ele está apontado sem pegar os sons do ambiente. Assim você evita que o som do misturador de voz atingisse o microfone", conta. A dificuldade, diz, é que os microfones desse tipo não são muito discretos. Os mais comuns utilizados para captações a la Joesley são os microfones omnidirecionais, que captam todo o som ao seu redor.

O quão boa é a criptografia nacional?

Segundo o professor doutor do Instituto de Computação da Unicamp, Diego Aranha, o Brasil se encontra em uma situação no mínimo desconfortável no que diz respeito à segurança das comunicações de seu governo. Isso se deve ao fato de, comparada a outras agências de inteligência, a ABIN ser "um órgão pequeno e carente de investimentos". Para ele, o desenvolvimento desses produtos não foi exaustivamente acompanhado por especialistas externos, o que muitas vezes provoca vulnerabilidades.

Aranha aponta que há grande dificuldade de tentar se proteger de um "adversário formidável" como outras agências e grupos de inteligência com orçamento muito mais folgado. O governo brasileiro investe na agência pouco mais de meio bilhão de reais por ano, valor extremamente baixo se comparado à estimativa de orçamento da CIA (Agência Central de Inteligência dos Estados Unidos) no ano de 2013. O valor chegava a US$ 14 bilhões – aproximadamente R$ 46,45 bilhões com um dólar a R$ 3,16. "O desafio técnico para se atingir segurança contra esse tipo de atacante é muito grande e não acredito que tenhamos maturidade técnica para tal, o que não significa que não precisemos tentar", observou o especialista.

"Infelizmente, tenho que reconhecer que o momento de implantação desses recursos sugere uma justificativa muito pouco nobre"

Ele ainda salienta que a decisão tomada ainda no governo de Dilma Rousseff de privilegiar os sistemas de segurança desenvolvidos no Brasil em vez de utilizar os estrangeiros também foi acertada. Isso se deve ao fato de ser muito provável que uma solução comercial estrangeira venha sabotada de alguma forma e permita escutas posteriores. "As revelações de Snowden trouxeram muitas informações sobre relações promíscuas entre empresas e governos, muitas vezes em direção oposta aos interesses de seus próprios cidadãos", afirma.

Não apenas sabotagem, mas a utilização de programas de terceiros pode dar ruim pelo simples fato do desenvolvimento não ter sido bom o bastante. Neste ano o aplicativo Confide foi tema de notícia por ter sido usado pela equipe do presidente americano Donald Trump, e chegou a ser empregado na comunicação entre Joesley Batista e Rocha Loures, o que fez com que aparecesse em diversas reportagens. Na primeira metade do ano, uma análise mais cautelosa sobre a aplicação revelou diversos furos na suposta confidencialidade que ele oferecia.

Segundo Aranha, o aprimoramento da segurança operacional e de infraestrutura do governo é uma demanda antiga da comunidade técnica. Mas a sua adoção mais recente não deixa de causar um gosto ruim. "Infelizmente, tenho que reconhecer que o momento de implantação desses recursos sugere uma justificativa muito menos nobre e republicana, dadas as fartas evidências publicadas pela imprensa das ações controversas desse governo", completou.